Choose Royal

Design, objects, material culture and stuff.

Mínimos

YutaSegawa_1Dos japoneses sabemos que sempre foram de reduzir aos mínimos.
Não só lhes coube o primeiro rótulo de minimalistas, que também tem que ver com o mínimo imprescindível, como conseguiram reduzir situações incríveis à escala da nossa mão – já achamos normal ver uma árvore Bonsai em qualquer secção de jardinagem do Leroy Merlin, mas ainda nos lembramos o espanto que nos causou a primeira vez em que pudemos mexer numa. E se pensarmos que uma Bonsai é uma árvore atrofiada à escala de uma casa de bonecas…
Vimos árvores, vimos jardins, vimos arquitecturas, vimos figuras várias em netsukes e até já vimos bicos de lápis esculpidos.
É uma arte da perícia e da mestria da mão e dos olhos, transposta para todos os materiais possíveis.
Os coleccionadores gostam e assim se faz parte do imaginário japonês.
Será também com essa consciência que Yuta Segawa desenvolve os seus objectos: miniaturas em cerâmica que reproduzem os modelos e estilos das cerâmicas orientais, mas também do resto mundo.
O trabalho de Segawa está relacionado com os limites do corpo na sua relação com a manufactura, também por isso tem um trabalho mais performativo em que empilha peças não acabadas numa catarse emotiva, configurando assim mais uma peça, ou onde as modela com outras partes do corpo que não as mãos.
Com as miniaturas também se leva ao limite na criação do mínimo possível, onde ainda consiga reproduzir as características da escala habitual. Pretende provocar a mesma sensação de enternecimento que temos ao ver qualquer criatura recém-nascida ou os objectos miniatura infantis.
O resultado é surpreendente, precisamente porque consegue.
(imagens: criações da série Miniature de Yuta Segawa)
/
Minimum
About the Japanese we know that they have always been into reducing to the minimum.
They not only got the first minimalists label, that is also related with the essential, but they also managed to reduce incredible situations to the scale of our hand – nowadays we find normal to see a Bonsai tree in a supermarket, but we still remember the shock that caused us the first time we were able to touch one. And if we realize that a Bonsai is a tree stunted on the scale of a dollhouse…
We saw trees, we saw gardens, we saw architectures, we saw several figures in netsukes and even have seen pencil nozzles carved.
It’s a skill of the hand and eyes transposed into all possible materials.
The collectors like and it became part of the Japanese imaginary.
It is also with that awareness that Yuta Segawa develops its objects: miniature ceramics reproducing the designs and styles of oriental ceramics, but also from the rest of the world.
The work of Segawa is related to the body’s limits in relation to the manufacture, that is why he also have a more performative work to to create his objects.
With his miniatures he takes himself to the limit in setting the minimum possible, still reproducing the characteristics of the usual scale. He intends to cause the same feeling of tenderness that we have when seeing a newborn creature or children’s miniature objects.
The result is surprising, precisely because it works.
(photos: designs from the Miniature series by Yuta Segawa)YutaSegawa_2YutaSegawa_3YutaSegawa_11YutaSegawa_10YutaSegawa_9YutaSegawa_8YutaSegawa_7YutaSegawa_6YutaSegawa_5YutaSegawa_4

 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on June 23, 2016 by in Arte, Design, Uncategorized and tagged , , , .
%d bloggers like this: